Arte e Matemática com Sankofa

Quer conhecer um trabalho inspirador que consegue juntar a cultura e a arte africana com o ensino de Matemática? O professor da UFPE, Ivanildo Carvalho, publicou um artigo na Ciência Hoje para Crianças sobre o tema. O Sankofa é “um símbolo gráfico, um ideograma, que representa um provérbio africano tradicional dos povos de língua Acã. A palavra une os termos ‘san’, que significa voltar; ‘ko’, que significa ir; ‘fa’, que quer dizer buscar”. Para ler o artigo e conhecer mais sobre o assunto, descobrindo como trabalhar os símbolos africanos em sala de aula, é só clicar aqui.

Número temático da Revista Em Teia sobre o Novo Ensino Médio

O novo número da Revista em Teia já está disponível com o tema Novo Ensino Médio e os Itinerários Formativos: perspectivas e desafios para a Educação Matemática. São 15 artigos que abordam diferentes aspectos da Educação Matemática com análises de documentos, experiências e propostas. O número temático foi organizado pelos professores Cassio Cristiano Giordano e Marco Aurélio Kistemann Junior. Segundo os organizadores, “essa coletânea busca propiciar ao leitor reflexões e cenários para melhor compreender as novas demandas inerentes às propostas curriculares que implantam e implementam os Itinerários Formativos no Ensino Médio, visando o desenvolvimento de competências acerca de diversos pensamentos, tais como o computacional, o estatístico e o financeiro”. A edição está disponível para acesso aqui. Divulgue e compartilhe para que o conhecimento circule e alcance o maior número possível de pessoas. Boa leitura!

Catálogo de livros do EDUMATEC

Reunimos as últimas publicações do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática e Tecnológica – EDUMATEC em um catálogo único para facilitar o acesso. A maioria das publicações foi realizada pela editora da UFPE e estão disponíveis para acesso gratuito das obras completas. Os temas abordados envolvem Educação Matemática, Educação Tecnológica, Educação do Campo, Ensino de Estatística, Ensino de Geometria, entre outros temas relacionados com a Educação Básica e o Ensino Superior. Para acessar o catálogo, é só clicar aqui.

Dúvidas com o método DBR na pesquisa?

Vocês conhecem a metodologia de pesquisa chamada “Design Based Research” (DBR)? Neste vídeo, desenvolvido por alunos do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática e Tecnológica, da Universidade Federal de Pernambuco, são apresentados alguns conceitos básicos sobre a DBR, destacando a definição e as suas características de maneira lúdica e descontraída. A produção do vídeo teve como objetivo apresentar e divulgar as principais ideias sobre essa metodologia.
Desenvolvido por Dayvid Evandro da Silva Lós; Diogo Barbosa; Rhafael dos Santos Gomes; Sara Rosa Piedade Costa Valente; Simone Rodrigues dos Santos Vilaça e Thales Pessoa de Souza Silva. Para assistir (e se divertir), é só clicar aqui!

Livro Temas emergentes em letramento estatístico

O livro Temas emergentes em letramento estatístico, organizado pelos professores Carlos Eduardo Ferreira Monteiro e Liliane Maria Teixeira Lima de Carvalho, reúne textos elaborados por pesquisadores que são referências internacionais na área. “Nos contextos sociais contemporâneos, as estatísticas constituem-se em ferramentas importantes à compreensão de diversos fenômenos cotidianos, tais como o desenvolvimento de uma pandemia, as tendências econômicas, os indicadores sociais e os desempenhos eleitorais. O termo “letramento estatístico” diz respeito às competências por meio das quais cada um pode compreender, avaliar criticamente e comunicar suas análises referentes a estatísticas em diversas situações. Este e-book traz reflexões sobre o letramento estatístico a partir de pesquisas nacionais e internacionais, e seus vinte capítulos estão organizados em três partes: na Parte 1, intitulada “Reflexões sobre temas emergentes em letramento estatístico”, são apresentados cinco capítulos elaborados por pesquisadores que são referências internacionais na área: Iddo Gal (Israel), Carolina Carvalho (Portugal), Theodosia Prodromou (Chipre e Austrália), Irene Cazorla e Celi Lopes (Brasil). A Parte 2 apresenta capítulos dedicados a “Aspectos socioculturais no letramento estatístico”, com temas que abrangem dos desafios do letramento estatístico em tempos de Big Data até o seu papel na convivência com o semiárido nordestino, ou como meio de empoderamento de meninas quilombolas, passando ainda pela leitura de dados da pandemia na educação básica; a Parte 3 trata de “Temáticas contemporâneas na formação de professores que ensinam Estatística”, com análises sobre o letramento estatístico na formação continuada de professores da educação infantil, na prática de professores em áreas campesinas, na abordagem de tabelas e gráficos no ensino médio, em livros didáticos adotados em escolas do campo, não se excluindo ainda, entre outros temas relevantes, o suporte prestado pelas Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs) e a presença do letramento estatístico na Base Nacional Comum Curricular (BNCC)”. O livro foi editado pela Editora da UFPE e está disponível para acesso gratuito, é só clicar aqui.

Livro Educação Matemática Crítica e a (In)justiça

O livro EDUCAÇÃO MATEMÁTICA CRÍTICA E A (IN)JUSTIÇA: práticas pedagógicas e formação de professores, organizado por Guilherme Henrique Gomes da Silva, Iranete Maria da Silva Lima e Fanny Aseneth Gutiérrez Rodríguez, propõe uma discussão urgente e muito necessário no atual contexto: “De que modo a Educação Matemática pode dialogar com a justiça social, a equidade, a distribuição de renda, o desmatamento, entre outras temáticas que emergem nas sociedades atuais?”. Para responder essa e outras questões, os autores desenvolvem um percurso instigante ao longo dos seus onze capítulos, apresentando dados e resultados de pesquisas para fundamentar as reflexões realizadas. Os autores justificam a publicação afirmando que “no Brasil, como em outros países, ainda há poucas publicações que se dedicam a essa discussão, inclusive, nas ações de formação inicial e continuada de professores(as). Este livro foi construído, portanto, com a finalidade de propiciar a discussão desta relação a partir de pesquisas que enfocam contextos socioculturais e educacionais distintos, bem como políticas públicas afirmativas de enfrentamento à (in)justiça social que circunda a Educação e o Ensino da Matemática. Para além desta finalidade, as pesquisas convergem, também, nas preocupações e conceitos que ancoram a Educação Matemática Crítica”. O livro está disponível para comprar no link da editora.

Livro Ao mestre com carinho

O livro Ao mestre com carinho: reflexões e pesquisas em educação matemática, organizado por Jadilson Ramos de Almeida, Regina Celi de Melo André e André Pereira da Costa, apresenta os resultados de pesquisas de mestrado em Educação Matemática desenvolvidas em Pernambuco. “Os estudos presentes neste livro, em especial, são resultados de dissertações de mestrado desenvolvidas ao longo desses anos no estado de Pernambuco. Com esta publicação, na qualidade de pesquisadores, esperamos que os estudos e reflexões que realizamos se tornem mais acessíveis e possam chegar ao maior número possível de leitores, de diferentes segmentos, como estudantes de licenciatura e de pós-graduação e, sobretudo, professores que ensinam matemática em todas as etapas da educação básica, já que o foco do grupo é contribuir para a formação docente, inicial e continuada”. O livro é uma edição da Editora UFPE e está disponível gratuitamente clicando aqui.

Livro Subir a montanha para ampliar a vista

O livro Subir a montanha para ampliar a vista: Alguns cenários de pesquisas em Educação Matemática, organizado por Marilene Rosa dos Santos e André Pereira da Costa, reúne textos sobre os diferentes cenários de pesquisa em Educação Matemática no país. “Atualmente, no Brasil, é possível se verificar uma movimentação crescente em torno da produção de conhecimentos em Educação Matemática. Esse movimento tem sido caracterizado por diversas pesquisas que usam diferentes quadros teóricos e procedimentos metodológicos de análise e interpretação de dados. Em geral, esses quadros e procedimentos são oriundos das Ciências Humanas.Assim, professores que ensinam Matemática na escola básica, estudantes de licenciatura e de cursos de pós-graduação, pesquisadores e docentes universitários, técnicos das secretarias de educação, e demais educadores matemáticos, analisam livros didáticos, documentos de orientação curricular, produções de alunos, práticas pedagógicas, produzem sequências didáticas e materiais didáticos, etc. Apesar dessa diversidade de abordagens e de produções, todos têm a mesma finalidade, contribuir com a realidade tão complexa da sala de aula. Desse modo, tais pesquisas promovem o “desenvolvimento de conhecimentos e práticas pedagógicas que contribuam para uma formação mais integral, humana e crítica do aluno e do professor” (FIORENTINI e LORENZATO, 2012, p. 4). Esses esforços têm impulsionado à consolidação da Educação Matemática como campo profissional e científico no país”.

O livro está disponível gratuitamente neste link. Boa leitura!

Livro Fundamentos sociofilosóficos da Educação e EAD

O livro Fundamentos Sociofilosóficos da Educação e Educação a Distância (EaD) – Uma cartografia de relações, oposições e contribuições, do professor Marcelo Sabbatini, propõe uma discussão sobre as contribuições teóricas acadêmicas ao cenário da Educação a Distância, sobretudo quando consideramos o contexto pandêmico e pós-pandêmico.

Em 2020 o mundo foi impactado, como nunca na história, por uma grave pandemia. E diante do fechamento de escolas e universidades, as tecnologias digitais de informação e comunicação apareceram como uma tábua de salvação para todo o setor educacional. Nunca se falara tanto em sincronicidade ou assincronicidade, de plataformas e ambientes virtuais de aprendizagem, do ensino remoto e da relação deste com a educação a distância (EaD). De início, já muitas críticas e temores em relação ao fosso de acesso que se estabeleceria entre aqueles que possuem acesso à tecnologia e os excluídos. E durante os longos meses de distanciamento social outros acontecimentos foram mostrando que o messianismo tecnológico estava longe de sê-lo, pelo contrário.Instituições particulares demitiram professores em massa, ao mesmo tempo em que investiam em sistemas de inteligência artificial supostamente capazes de realizar a mediação pedagógica e mesmo a avaliação educacional. A questão da inclusão/exclusão digital se mostrou mais complexa na medida em que o ambiente social e familiar dos alunos de classes menos favorecidas também os afastava das aulas remotas e de qualquer chance de se manterem a par de sua formação. Em muitos casos, grupos de famílias ou organizações comunitárias se mobilizaram para proporcionar um acesso alternativo às escolas fechadas. Em meio a debates e iniciativas, todos os envolvidos passaram a imaginar que da crise surgiria um novo modelo de educação, com forte presença tecnológica, capaz de atender às complexidades de um mundo pandêmico e pós-pandêmico. O que pode ter sido surpresa e desapontamento para muitos, entretanto, não o foi para quem conhece as teorias da EaD, e, mais ainda, as próprias teorias da educação. Retomando os exemplos, a discussão teórica nesse campo envolve respectivamente questões como a desumanização e a exploração do trabalho docente, a desigualdade de capital social-cultural estabelecendo um sistema dualista de ensino, além da possibilidade de um novo espaço educacional alternativo à escola.E aqui reside o valor das teorias. Ao abstraírem uma certa explicação da realidade, elas nos preparam para situações que podem ser novas em suas manifestações específicas, mas que em sua raiz atendem a princípios bem estabelecidos e que se mostram na prática e na realidade, mesmo durante uma pandemia, ou até mesmo por causa dela.Este é o tema deste livro, resultado de uma pesquisa realizada muito antes da crise pandêmica e que buscou responder à questão: Como as teorias que explicam o fenômeno educativo em relação à sociedade, em termos filosóficos, sociológicos e antropológicos, são incorporadas à discussão acadêmica na educação a distância?

O acesso ao livro é gratuito e está disponível neste link.

escolas fechadas. Em meio a debates e iniciativas, todos os envolvidos passaram a imaginar que da crise surgiria um novo modelo de educa-ção, com forte presença tecnológica, capaz de atender às complexida-des de um mundo pandêmico e pós-pandêmico.O que pode ter sido surpresa e desapontamento para muitos, entretanto, não o foi para quem conhece as teorias da EaD, e, mais ainda, as próprias teorias da educação. Retomando os exemplos, a discussão teórica nesse campo envolve respectivamente questões como a desumanização e a exploração do trabalho docente, a desi-gualdade de capital social-cultural estabelecendo um sistema dualista de ensino, além da possibilidade de um novo espaço educacional al-ternativo à escola.E aqui reside o valor das teorias. Ao abstraírem uma certa expli-cação da realidade, elas nos preparam para situações que podem ser novas em suas manifestações específicas, mas que em sua raiz atendem a princípios bem estabelecidos e que se mostram na prá-tica e na realidade, mesmo durante uma pandemia, ou até mesmo por causa dela.Este é o tema deste livro, resultado de uma pesquisa realizada muito antes da crise pandêmica e que buscou responder à questão: Como as teorias que explicam o fenômeno educativo em relação à sociedade, em termos filosóficos, sociológicos e antropológicos, são incorporadas à discussão acadêmica na educação a distância?

Livro Investigações em ensino e em aprendizagem

O livro INVESTIGAÇÕES EM ENSINO E EM APRENDIZAGEM: Uma década de pesquisas do Grupo de Estudos em Raciocínios Combinatório e Probabilístico (Geração) foi organizado pelas professoras Rute Borba, Juliana Azevedo Montenegro e Jaqueline Lixandrão Santos. O livro tem como propósito reunir em uma obra única, os resultados das pesquisas realizadas pelo grupo sobre combinatória e probabilidade nos últimos 10 anos. Segundo as autoras, “o livro é voltado a acadêmicos de instituições superiores de ensino e, também, a professores do Ensino Básico. Os docentes de Ensino Superior podem utilizar os resultados que apresentamos como fontes de discussão junto a graduandos – em especial de Licenciaturas em Pedagogia e em Matemática – sobre modos de ensino e de aprendizagem da Combinatória e da Probabilidade”. A obra está disponível em acesso gratuito neste link. Boa leitura!