Novo número da Revista em Teia

O novo número da Revista em Teia, do Programa de Educação Matemática e Tecnológica – EDUMATEC, da UFPE, já está disponível com treze artigos interessantíssimos sobre a Educação Matemática e Educação Tecnológica. O número apresenta uma rica diversidade de temas, abordagens e metodologias. Os artigos abordam temas como robótica educacional, educação do campo, ensino de gráficos e tabelas, desenho geométrico, formação de professores e o uso de tecnologias digitais, quadrinhos no ensino de Matemática, educação inclusiva, modelagem, análise combinatória, etnomodelagem, ensino de estatística, ensino de frações e a teoria dos campos conceituais. Além da relevância acadêmica para os pares, os textos também são interessantes para os professores que buscam novos caminhos para o desenvolvimento da aprendizagem dos seus alunos e para auxiliar na construção de projetos de mestrado e doutorado, com sugestões de temas e percursos metodológicos detalhados. Os artigos estão listados a seguir com os seus respectivos links para acesso gratuito. Boa leitura!

Uma proposta para trabalhar polígonos nas aulas de matemática por meio da robótica educacional

Elisangela Pavanelo, Henrique Maciel Cayres, Rogério Rodrigues dos Santos

10.51359/2177-9309.2022.251610

O ensino e a aprendizagem de gráficos e tabelas na educação básica a partir de uma revisão sistemática de literatura (2009-2019)9)

Jéssica de França Dourado Cruz, Joubert Lima Ferreira

10.51359/2177-9309.2022.252783

Tecnologias digitais na formação de professores

Vilma Luísa Siegloch Barros, Maria Clara Silva-Forsberg, Cilene Maria Lima Antunes Maciel

10.51359/2177-9309.2022.254215

As frações e a teoria dos campos conceituais: um mapeamento de trabalhos publicados em eventos

Rosangela Ramon, Nagmar Ferreira de Souza, Felipe Moraes Kurtz, Clélia Maria Ignatius Nogueira

10.51359/2177-9309.2022.251243

Educação matemática crítica e ensino de estatística: um estudo com professoras de escolas do campo

Gerlaine Henrique da Costa, Liliane Maria Teixeira Lima de Carvalho

10.51359/2177-9309.2022.254303

A transformação de um projeto de modelagem em um exercício de matemática

Ilaine da Silva Campos

10.51359/2177-9309.2022.249262

Desenho geométrico no ensino de matemática: uma proposta com o amuleto indígena filtro dos sonhos

Nickson Deyvis da Silva Correia, Viviane de Oliveira Santos, Erenilda Severina da Conceição Albuquerque

10.51359/2177-9309.2022.252918

Etnomodelagem: investigando articulações com a educação do campo

Luana Oliveira Moreira de Jesus, Zulma Elizabete de Freitas Madruga

10.51359/2177-9309.2022.253391

Contribuições da metodologia análise de erro para o ensino e aprendizagem da análise combinatória no ensino médio

Levy De Oliveira Coelho, Mônica Souto da Silva Dias

10.51359/2177-9309.2022.253725

Os números da robótica pedagógica aplicada à educação básica no brasil a partir de um mapeamento sistemático da literatura

Robson Souto Brito, Marcelo Sabbatini

10.51359/2177-9309.2022.253562

Processo de formação com professores que ensinam matemática para o uso de histórias em quadrinhos digitais no ensino de geometria

Nahara Morais Leite, Ana Beatriz Gomes Carvalho, Cristiane Azevedo dos Santos Pessoa

10.51359/2177-9309.2022.254400

Resolução de problemas do campo multiplicativo e surdez: uma revisão bibliográfica

Raquel Tavares Scarpelli, Claudia Coelho de Segadas Vianna, Silene Pereira Madalena

10.51359/2177-9309.2022.252631

A organização didática dos professores bilíngues marcada pelo seu habitus

Nadjanara Ana Basso Morás, Clélia Maria Ignatius Nogueira, Luiz Marcio Santos Farias

10.51359/2177-9309.2022.252801

A democracia aceita os termos e condições?

Em ano de eleição, sobretudo uma tão importante, muitas escolas realizam projetos relacionados com o processo eleitoral, apresentando aos alunos os conceitos de democracia, cidadania, participação, entre outros relacionados com o tema. Considerando o contexto da cultura digital e a influência das plataformas nos processos eleitorais no Brasil e no mundo, é interessante conhecermos melhor as implicações dos algoritmos para a democracia. “Com a intenção de contribuir com o debate sobre como fortalecer a democracia, a Fundação Heinrich Böll convidou pesquisadores do campo dos direitos digitais e ciência política para refletirem sobre a conjuntura das eleições de 2022, utilizando a perspectiva de que as redes e os algoritmos têm um papel fundamental”. O livro está disponível gratuitamente e para acessar o material, é só clicar aqui.

A história da revolta da vacina para crianças

Convivemos com uma pandemia e a rápida fabricação da vacina salvou muitas vidas, mas o enfrentamento teria sido mais fácil sem a resistência de alguns grupos e a proliferação de informações falsas. O negacionismo assume várias facetas, desde o preconceito com o vírus “chinês”, teorias da conspiração, recusa em usar máscaras até as dúvidas sobre a eficácia da vacina. A história é sempre um bom caminho para conversar com as crianças como as pessoas reagiram diante das ameaças sanitárias ao longo da nossa história. A revista Ciência Hoje das Crianças publicou uma matéria importante em 2004, mas muito adequada para os dias atuais. O texto “A revolta da vacina” conta o que aconteceu no Rio de Janeiro no começo do século XX quando a população se revoltou contra a vacinação obrigatória. Para acessar o texto, é só clicar aqui.

Coleção Recife 500 Anos

A Cepe, em parceria com a UFPE, o Observatório do Recife e a Prefeitura do Recife, disponibiliza os primeiros títulos da Coleção Recife 500 Anos para consulta e leitura em PDF no seu acervo. Nestes livros, os 500 anos de fundação da capital estimulam reflexões sobre sua urbanização, da colonização ao Recife do futuro.  Para acessar a coleção gratuitamente, clique aqui.

Atlas dos insetos

A Fundação Heinrich Böll lançou a edição brasileira do Atlas dos Insetos, com dados e fatos sobre os insetos no contexto brasileiro e mundial, destacando os problemas que o seu declínio causam aos ecossistemas. O atlas foi criado com o intuito de estimular o debate sobre esses animais de seis patas, ampliando o conhecimento sobre a sua importância nas relações ecossistêmicas e na nossa vida. A falta de informação e conhecimento sobre os benefícios e a importância dos insetos deixa parte da população indiferente ao que ocorre com eles e podemos mudar essa situação trabalhando o tema com os nossos alunos desde cedo. Afinal, crianças amam descobrir coisas diferentes e certamente ficarão fascinadas com os insetos! Para acessar o atlas gratuitamente, clique aqui.

Diversidade social, diferenças individuais e seus impactos sobre o ensino e a aprendizagem

O e-book Diversidade social, diferenças individuais e
seus impactos sobre ensino e a aprendizagem faz parte da coleção “Heterogeneidade e Educação” que apresenta os resultados dos estudos realizados no âmbito do grupo de pesquisa“Heterogeneidades e alfabetização: concepções e práticas”, coordenado pelas professoras Telma Ferraz Leal e Ana Claudia Pessoa. A pesquisa teve a participação de 27 pesquisadores e o objetivo geral foi “investigar as concepções sobre heterogeneidade no contexto do ensino em teses, dissertações, artigos de periódicos, documentos curriculares, livros didáticos, assim como as estratégias docentes para lidar com tal fenômeno em sala de aula dos anos iniciais do Ensino Fundamental, no ensino da leitura e da escrita em contextos de escolas do campo e da cidade”. A pesquisa desenvolveu quatro subprojetos: pesquisa bibliográfica, análise documental de propostas curriculares de capitais brasileiras, análise documental de coleções de livros didáticos de Língua Portuguesa e análise de práticas docentes. Os artigos com os resultados dos subprojetos foram organizados nos três volumes da coleção. O volume I está disponível para acesso gratuito, é só clicar aqui. Boa leitura!

Catálogo de jogos e brincadeiras africanas e afro-brasileiras

O Catálogo de jogos e brincadeiras africanas e afro-brasileiras, organizado por Helen Pinto, Luciana Soares da Silva e Míghian Danae com ilustrações de Rodrigo Andrade, foi produzido com base no projeto de pesquisa aplicada intitulado Nô bá brinca, vamos brincar, ahi tlhangui? O material é resultado de um esforço de colaboração com sete países: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique e São Tomé e Príncipe. “Intencionamos, ainda, fortalecer o diálogo entre países africanos de língua oficial portuguesa
e o Brasil no âmbito da educação, fomentando a integração por meio de ações educativas que
demonstrem a relação que há entre esses países nos mais diversos campos do conhecimento”.
O catálogo está disponível gratuitamente aqui.

História geral da África: novas publicações da UNESCO

Desde 2010 a UNESCO vem lançando publicações sobre a história da África, um trabalho importantíssimo para o resgate e registro da história africana para o mundo. Em 2021, foram lançados novos volumes sobre a África antiga e pré-histórica. A importância da obra está muito bem retratada na apresentação dos seus novos volumes: “A Representação da UNESCO no Brasil e o Ministério da Educação têm a satisfação de disponibilizar em português a Coleção da História Geral da África. Em seus oito volumes, que cobrem desde a pré-história do continente africano até sua história recente, a Coleção apresenta um amplo panorama das civilizações africanas. Com sua publicação em língua portuguesa, cumpre-se o objetivo inicial da obra de colaborar para uma nova leitura e melhor compreensão das sociedades e culturas africanas, e demonstrar a importância das contribuições da África para a história do mundo. Cumpre-se, também, o intuito de contribuir para uma disseminação, de forma ampla, e para uma visão equilibrada e objetiva do importante e valioso papel da África para a humanidade, assim como para o estreitamento dos laços históricos existentes entre o Brasil e a África.O acesso aos registros sobre a história e cultura africanas contidos nesta Coleção se reveste de significativa importância. Apesar de passados mais de 26 anos após o lança-mento do seu primeiro volume, ainda hoje sua relevância e singularidade são mundialmente reconhecidas, especialmente por ser uma história escrita ao longo de trinta anos por mais de 350 especialistas, sob a coordenação de um comitê científico internacional constituído por 39 intelectuais, dos quais dois terços africanos.A imensa riqueza cultural, simbólica e tecnológica subtraída da África para o continente americano criou condições para o desenvolvimento de sociedades onde elementos europeus, africanos, das populações originárias e, posteriormente, de outras regiões do mundo se combinassem de formas distintas e complexas. Apenas recentemente, tem-se considerado o papel civilizatório que os negros vindos da África desempenharam na formação da sociedade brasileira. Essa compreensão, no entanto, ainda está restrita aos altos estudos acadêmicos e são poucas as fontes de acesso público para avaliar este complexo processo, considerando inclusive o ponto de vista do continente africano”. São oito volumes que podem ser consultados sempre e usados como recurso didático nas salas de aula da Educação Básica e do Ensino Superior. Para acessar o índice dos volumes gratuitamente é só clicar aqui.

Guia de identificação dos vertebrados do lago do amor

Apesar do título, não estamos falando dos vertebrados em busca de sua cara-metade ou de um lugar romântico, o Lago do Amor está localizado na cidade universitária da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande (MS) e lá temos a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Cerradinho, destinada a estudos de Ecologia e Biologia geral. Segundo o texto, “o Lago do Amor é um importante ponto turístico da capital – Campo Grande. O objetivo deste trabalho é disponibilizar um guia de identificação para levar o conhecimento sobre a fauna de vertebrados que habita o lago e as áreas de entorno, com o intuito de despertar o sentimento de pertencimento da comunidade acadêmica e externa à biodiversidade, além da conscientização da importância de proteção à natureza”. O guia está disponível para acesso aqui.

Livro Retratos da alfabetização na pandemia

O processo de alfabetização é uma das etapas mais sensíveis na Educação Básica e certamente foi bastante impactado com o ensino remoto durante a pandemia. Pesquisadores de diferentes instituições se uniram para produzir o e-book RETRATOS DA ALFABETIZAÇÃO NA PANDEMIA DA COVID-19: RESULTADOS DE UMA PESQUISA EM REDE. “O coletivo, denominado ALFABETIZAÇÃO EM REDE, é constituído por 29 universidades e envolve em torno de 117 pesquisadoras. Numa parceria inédita entre a universidade e as docentes da educação infantil e dos anos iniciais do ensino fundamental, produzimos ao longo de 2020 e 2021, dados quanti-qualitativos que nos possibilitaram construir uma visão mais aprofundada dos desafios enfrentados na alfabetização das crianças da escola pública, buscando ouvir a voz docente. O livro apresenta dados de um survey realizado com 14.735 professoras de 18 estados em todas as regiões do país, bem como dados dos grupos focais realizados com docentes de 11 estados“. A obra está disponível para acesso gratuito aqui.